A defesa de Andrea Neves da Cunha, irmã do senador Aécio Neves (PSDB), pediu nesta quarta-feira (11/04) que o Supremo Tribunal Federal (STF) adie o julgamento marcado para o dia 17 de abril que vai decidir se a denúncia de corrupção, organização criminosa e embaraço às investigações da Lava Jato será aceita contra ela.
Aécio Neves, o primo Frederico Pacheco de Medeiros e Mendherson Souza Lima, ex-assessor parlamentar do senador Zezé Perrela (MDB-MG), também foram denunciados pela Procuradoria Geral da República (PGR).
Andrea Neves foi presa preventivamente em maio na Operação Patmos, realizada a partir das delações da JBS. Em junho, outra decisão do STF concedeu a Andrea prisão domiciliar.
Em seu pedido, o advogado Marcelo Leonardo, que representa Andrea Neves, alegou que no mesmo dia 17 de abril defenderá um réu em um processo que corre no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e que por isso não poderia participar da sessão no STF.
Segundo Marcelo Leonardo, o processo tem sido rápido e não seria afetado pela mudança de data. “Não haverá prejuízo por causa de uma mera semana”, defendeu o advogado.

guazelli

Todos Posts

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *