O juiz federal Sergio Moro aceitou nesta quinta-feira (09/08) denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-senador do Distrito Federal (DF) Jorge Afonso Argello, conhecido como Gim Argello, preso desde abril de 2016 na Operação Lava Jato.

Ele se tornou réu pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por obstruir os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras instaurada no Senado e da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) no Senado e na Câmara dos Deputados, em 2014.

Conforme a denúncia, Argello solicitou e aceitou promessa de vantagem indevida de R$ 5 milhões da empresa Galvão Engenharia, recebendo efetivamente parte do valor (R$ 1,6 milhão) por meio do Partido Social Liberal (PSL), do Trabalhista do Brasil (PT do B) e Partido do Partido Ecológico Nacional (PEN).

Gim Argello já foi condenado pela Justiça Federal por corrupção passiva e lavagem de dinheiro a 19 anos de prisão, em outubro de 2016.

Em novembro de 2017, a 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) confirmou a condenação da primeira instância, mas reduziu a pena para 11 anos e oito meses.

Ele exerceu o cargo de senador entre 2008 e fevereiro de 2015 pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e está preso no Complexo Médico Penal (CMP), em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Fonte: G1

guazelli

Todos Posts

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *