A jornalista e ex-apresentadora mineira Valéria Monteiro (PMN) informou na manhã desta quarta-feira (15/08) que pediu o registro de sua candidatura a presidente da República à Justiça Eleitoral. O vice na chapa é Samuel Silva. A situação está sub judice, já que ela ingressou com um recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a convenção do partido, que lhe negou a possibilidade de concorrer pela legenda.

Valéria Monteiro também registrou um programa de governo em 53 slides, que chamou de Brasil, pátria mãe gentil. Nele, ela propõe ações como a duplicidade de ações dos ministérios.

Entre os pontos que coloca para o governo estão a descriminalização da maconha para fins medicinais e um debate com a sociedade sobre a liberação para fins recreativos. Ela propõe a criação do ministério da comunicação e acesso à informação para proporcionar a busca de informações pela sociedade e dar internet gratuita e acesso a todos à educação digital.

Como metas ela coloca o fim da desigualdade e as reformas eleitoral, política e tributária. Também propõe a moratória até que as contas públicas sejam auditadas.

No último dia 21 de julho, Valéria Monteiro foi impedida de falar na convenção pelo presidente da legenda, Antônio Carlos Massarollo, que alegou que ela não era convencionada. A candidata foi retirada do evento por seguranças e saiu questionando se o partido definiria tudo em uma canetada. Além de não ter candidatura própria, o PMN decidiu não apoiar a candidatura de outro partido no primeiro turno.

Valéria entrou com uma ação popular para anular a convenção, que considerou uma demonstração de “como o processo eleitoral brasileiro é fraudulento”.

Fonte: Estado de Minas

guazelli

Todos Posts

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *