Crescem as especulações de que Osmar Dias pode voltar à cena após a sua renúncia à candidatura a governador na véspera da convenção do PDT. A porteira para o retorno se abriu com o fato que se abateu sobre Beto Richa, que não tem outro caminho a não ser o de desistir da disputa pelo Senado pelo PSDB na coligação encabeçada por Cida Borghetti (PP).

Agora Osmar vem sendo assediado pela chapa de João Arruda (MDB), que enxerga a possibilidade de vê-lo concorrendo ao Senado fazendo dupla com o outro candidato da coligação – o senador Roberto Requião, que busca a reeleição. Mas ainda resiste aos apelos de retorno, segundo disse em entrevista a Ruth Bolognese para o Contraponto.

O prazo para mudanças termina na segunda-feira, dia 17, e a legislação impõe um rito para que elas ocorram. Exige como ponto de partida que o atual candidato da coligação ao Senado, o ex-deputado Nelton Friedrich, renuncie, abrindo a possibilidade de substituição. O segundo passo seria um convite para alguém que estivesse disposto a assumir o lugar – no caso Osmar. E, terceiro, o nome teria de ser aprovado pelo conjunto dos partidos que formam a aliança: MDB, PDT, SD e PCdoB.

A opção preferencial para o retorno de Osmar Dias seria para disputar a cadeira de senador, mas pesquisas estão em campo para mensurar a viabilidade também de concorrer ao governo, o que exigiria como primeiro passo a renúncia de João Arruda – possibilidade, no entanto, que seria próxima do zero dado o grau de animação do candidato do MDB ao governo quanto às chances que diz deter de chegar ao segundo turno e derrotar Ratinho.

Fonte: Contraponto

guazelli

Todos Posts

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *