O general Hamilton Mourão, vice na chapa de Jair Bolsonaro, conversou nesta segunda-feira (08/10) com o candidato do PSL à Presidência após a entrevista que Bolsonaro concedeu ao Jornal Nacional na qual desautorizou declarações do vice, como a defesa de um autogolpe e de críticas à Constituição.

Mourão disse que “Bolsonaro foi colocado numa emboscada” porque quando deu a declaração do autogolpe, em entrevista à Globonews em setembro, Bolsonaro estava “hospitalizado” e não “acompanhou direito” a repercussão.

O vice afirmou à reportagem que não defende um autogolpe, como admitiu, mas que é, sim, “um crítico da Constituição”.

“A nossa abrange muita coisa. Defendo uma de princípios e valores, mas é minha opinião pessoal, tenho minha personalidade. E já fiz mea culpa das minhas escorregadas. Não sou político, aí eu falo o que penso”, afirmou Mourão.

Nesta segunda-feira (08/10), Bolsonaro e Fernando Haddad (PT) reafirmaram compromisso com a democracia e com a Constituição, na entrevista ao Jornal Nacional. Bolsonaro disse que, se eleito, será “escravo” da Constituição.

“Falei para ele proceder com sua visão. Tenho minhas críticas. Agora, o presidente, como ele disse, é ele. Só não sou um vice anencéfalo. Tenho minhas opiniões”, disse Mourão.

Bolsonaro confundiu o nome de Mourão duas vezes na entrevista, chamando-o de Augusto. Perguntado se ficou chateado, o vice riu: “Foi um ato falho. Mas falei para ele: ‘Vê se acerta nossos nomes! Eu sou o Hamilton, o Heleno é o Augusto'”, referindo-se ao general Heleno, outro aliado de Bolsonaro.

Mourão segue nas conversas com empresários para tentar atrair apoio para a campanha de Bolsonaro.

Ele acredita na vitória no segundo turno, mas voltou a colocar em dúvida o resultado, citando “a teoria da conspiração de fraude”. “Fora isso, não tem como a gente não ganhar”.

Fonte: G1/Andréia Sadi

guazelli

Todos Posts

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado.