Depois de comprovar a veracidade dos diálogos da Vaza Jato, pedindo desculpas ao ex-presidente Lula pelos comentários irônicos em relação às mortes da ex-primeira-dama, Marisa Letícia, e do neto do casal, Arthur, a procuradora Jerusa B. Viecil usou da empáfia característica dos colegas da Lava Jato para dizer que as mensagens recebidas e divulgadas pelo site The Intercept são “frutos de crime”.

“Lembrar de uma mensagem não autentica todo o conjunto. A existência de mensagens verdadeiras não afasta o fato de que as mensagens são fruto de crime e têm sido descontextualizadas ou deturpadas para fazer falsas acusações”, tuitou Jerusa.

A procuradora ainda voltou a confirmar que as mensagens são verdadeiras, ressaltando que “procuradores da Lava Jato nunca negaram” a veracidade dos diálogos. “Contudo, não é possível saber exatamente o quanto está correto, porque é impossível recordar de detalhes de 1 milhão de mensagens em 5 anos intensos”, disse a procuradora.

Reportagem do site Revista Fórum.

guazelli

Todos Posts

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado.