A ativista Anielle Franco, irmã da vereadora assassinada Marielle Franco e diretora do Instituto Marielle Franco, fez uma sequência de postagens no Twitter na noite deste domingo comentando sobre a polêmica em torno da série ficcional comandada pela roteirista Antonia Pellegrino ao lado do diretor José Padilha.

Anielle aponta que as duas produções do Globoplay sobre Marielle – um documentário e a série ficcional – já foram apresentadas à família prontas e aconteceriam independentemente do aval. Ela relata que a série gerou mais preocupação.

“Na série ficcional, desde o 1º momento cobramos a necessidade do protagonismo de profissionais negras(os) e permaneceremos insistindo. Mesmo sem ter controle sobre como vai ser o resultado final, estamos acompanhando para q sejam devidamente respeitosos e coerentes com a história da Mari. E q o alcance dos dois ajude a dar visibilidade e força tb para o Instituto e para o trabalho que seguimos fazendo por aqui”, escreveu.

A ativista disse que torce pelo sucesso da produção, para trazer visibilidade à causa de Marielle e da instituto, mas que apontou que planeja estruturar uma forma de contar a história da ex-vereadora “da maneira como achamos que deve ser contada, através do olhar, por exemplo, de diretoras e cineastas negras, faveladas e periféricas do Brasil”.

Anielle ainda destacou que o instituto, neste momento, está focado nas mobilizações de 14 de março, quando a morte de Marielle completa 2 anos, ainda sem resposta.

Revista Fórum.

guazelli

Todos Posts

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *